Hoje, Revista TEMA n.4 na Ler Devagar em Lisboa

Hoje no lançamento da Revista TEMA às 19h30, na Livraria Ler Devagar, LXFactory em Lisboa, apresentamos:

12314577_961046610628279_5149636668122452799_o
Imagem © Tatiana Mavromati

O ensaio da grega Tatiana Mavromati. “Lali” é uma visão íntima da imigração georgiana na Grécia, à procura de uma nova vida num dos países em maior dificuldade na Europa.

Imagem © Bruno Miguel Castro
Imagem © Bruno Miguel Castro

A secção dedicada ao processo de um fotógrafo, que neste número conta com a partilha de Carlos Muralhas. O autor abriu o livro e conta-nos como trabalha antes e depois de disparar, para uma visão muito própria da fotografia.

12322374_961043327295274_8625054531916790873_o
© António Castilho

O fotógrafo António Castilho que redescobriu alguns rolos perdidos no tempo e partilha a sua visão do PREC, num trabalho resgatado ao esquecimento e que marca também a presença do ensaio fotográfico português na revista.
12339496_961041503962123_5320339132459804084_oA secção dedicada ao livro fotográfico com a colaboração da Magda e do Domingos, que apresentam o universo de Stephen Grebinski e o seu invulgar “The Porno Landscapes”.

12322840_961039357295671_1223790781276918626_o
© Oksana Yushko
A visão de Oksana Yushko sobre o massacre de Beslan e dos jovens sobreviventes que, anos depois, celebram a formatura.

12309530_961037290629211_823685206242294933_o
© Ian Willms

Um projecto documental no Instagram, que Cláudia Lomba escreveu para a nova secção “A Rede”. O trabalho de Ian Willms aparece sóbrio e sensível na TEMA.

12314606_961035940629346_9160382567886907567_o
© Courtnay Robbins Bragagnolo

O ensaio que faz a nova capa da TEMA, “Refugees of Kobane”, e que foi fotografado por Courtnay Robbins Bragagnolo na fronteira da Síria quando a Europa ainda não tinha acordado para o problema e traz-nos o olhar directo da norte-americana.

12342413_961033517296255_5017144439599031623_n
© Mário Cruz

Mário Cruz, que esteve à conversa com o João Jarego sobre fotografia, a sua carreira e abordagem fotográfica.

Anúncios

UM FOTÓGRAFO ÀS TERÇAS – Torsten Warmuth

Torsten Warmuth nasceu em 1968, na então República Democrática Alemã. Reside em Berlim. Estudou matemática, tendo concluído um doutoramento nesta área (em 1995). Estas linhas não estariam a ser escritas se tivesse prosseguido uma carreira académica na matemática: a verdade é que o apelo da fotografia falou mais alto e acabou por se dedicar exclusivamente à fotografia.

A sua relação com a fotografia, porém, iniciou-se muito cedo com a descoberta de uma câmara de baquelite de 6×6. Esta seria, pouco depois, substituída por uma reprodução de fabrico russo de uma Leica. Enquanto adolescente, Torsten tinha também um fascínio por desportos motorizados. Esse interesse acabou por estar na génese de uma linguagem fotográfica que tem desenvolvido desde então: ao fotografar motocross e competições automóveis, quis experimentar o efeito da utilização de tempos de exposição longos e exposições múltiplas. Nessa altura já controlava todo o processo fotográfico de revelação e impressão.

Após o abandono da carreira como matemático, trabalhou ao longo de dois anos como fotógrafo de arquitectura e ambientes industriais. É nesta fase que se familiariza com a utilização de câmaras de grande formato e que estabelece ligações com o meio artístico de Berlim. Daqui nasce um fascínio pelas possibilidades ficcionais na fotografia.

Tem fotografado em Berlim e noutras metrópoles como Nova Iorque, Paris, Buenos Aires, Cairo ou a “nossa” Lisboa. Há no trabalho de Torsten um espírito de “flâneur” dos tempos modernos. Vagueia pelos espaços urbanos e capta a sua pulsação, o seu movimento, o seu caos. O seu ruído.

Kai Uwe Schierz, escreve o seguinte acerca da componente simbólica da fotografia de Torsten: “We are able to gain a better understanding of his photographic images by comparison with the narrative technique of the so-called “stream of consciousness”, which included even the uncontrolled, disjointed and associative elements of everything. In this context, it becomes clear that Torsten Warmuth’s photographs always refer to inner processes, to a metropolitan feel for life rather than to concrete, witnessed situations. Warmuth’s images, with their abstracted, graphic appearance, underline a transcending of the motif (passers-by, sections of urban spaces), leading to associations created by the imagination, as if one had spent a day walking through a city oneself and then allowed this experience to pass by one’s inner eye later in the evening. Indeed, the formal characteristics of these photographs – fragment, transparency, palimpsestic superimposition – also have considerably more in common with the images of the mind than with external impressions.”

Artisticamente, tudo isto se tem expressado numa crescente abstracção das suas imagens. Um passo decisivo nesse caminho foi o processo que ele baptizou de “silver painting” e que tem vindo a utilizar desde 2009. Este método esbate a fronteira entre a fotografia e pintura, tratando-se de uma técnica mista que que recorre à aplicação de tinta sobre o papel de gelatina.

A fusão entre a fotografia e pintura surgem assim como a derradeira consumação do seu leitmotiv: o esbatimento da fronteira entre realidade e ficção, entre o mundo real e a imaginação. Este efeito parece-me ainda mais notável se tivermos em mente que as imagens individuais que são a base das suas composições são triviais e não representam “momentos decisivos”. Tal como num sonho, o extraordinário resulta, na obra de Torsten, do “rearranjar” de “fatias” da realidade em conjunções inesperadas.

Torsten_01 Torsten_02 Torsten_03 Torsten_04 Torsten_05 Torsten_06 Torsten_07 Torsten_08 Torsten_09 Torsten_10 Torsten_11 Torsten_12


Os fotógrafos desta rubrica, estão disponíveis, após a sua publicação, em: Um fotógrafo às terças, com acesso ao arquivo por  nome de autor.