Máquinas com História, Nikon FM2

16933933_10210600592549477_195349829_n

A Nikon FM2 é uma SLR (Single Lens Reflex) de 35mm totalmente manual inserida no segmento semi-profissional. Foi construída e vendida entre 1982 e 2001 (em 1984 foi lançada a variante FM2n). É um dos modelos mais icónicos da Nikon, desejado pelos fãs da marca.

Com um disparador totalmente manual que consegue disparos entre o Bulb e 1/4000.
Com elevada qualidade de construção, leve e compacta, encontramos a Nikon FM2 disponível em preto e prateada.

Numa altura em que a velocidade de 1/1000 era considerada uma velocidade rápida a Nikon FM2 inovou oferecendo a quem fotografava uns incríveis 1/4000 de velocidade máxima.
Conseguindo fotografar a 1/4000 de velocidade permite-nos tirar partido de uma lente mais luminosa em situações com mais luz, podendo utilizar uma abertura grande.

A FM2 é conhecida pela sua qualidade de construção, durabilidade e fiabilidade (quem tem uma, dificilmente não se sente totalmente satisfeito com a sua prestação).

Aceita pilhas LR44 / SR44 que servem unicamente para fazer trabalhar o fotómetro, sendo este composto por luzes led indicando a sobre- exposição (+) sub- exposição (-) e exposição correcta (0)

Como é fotografar com a Nikon FM2

Quando se pega na FM2 sente-se que é um modelo bem construído e ergonomicamente bem projetado, encaixa bem na mão e conseguimos alcançar facilmente os comandos.
Tem um visor luminoso e tendo a indicação do fotómetro por leds é de fácil leitura mesmo em ambientes com pouca luz ao contrário dos típicos fotómetros de agulha.
É um deleite ouvir toda a mecânica da máquina desde o disparo até ao puxar do filme. Sendo uma das nossas máquinas fotográficas preferidas não será difícil de adivinhar que adoramos.


Nota: esta rubrica não pretende ser um compêndio exaustivo da história das câmaras fotográficas, pretende apenas ser o reflexo da paixão que os autores sentem por alguns dos equipamentos com que se têm cruzado ao longo da sua aventura fotográfica. por Vintage Dream Cameras.

#mef #omefsugere #maquinascomhistoria


BURUNTUMA – ALGUM DIA SERÁS GRANDE …

RAPARIGA “BAJUDA” FULA

As jovens Fulas, bastante elegantes e de tez clara, são chamadas “bajudas” quando ainda solteiras e supostamente “virgens”, tendo porém já sido submetidas à cerimónia da Iniciação (Fanado).

Regra geral, ocupam-se das tarefas domésticas cuidando dos irmãos, providenciando o abastecimento de água e da lavagem da roupa e da “louça”. É habitual encontrarem-se grupos de “bajudas” junto aos cursos de água em grande “algazarra”, realizando essas tarefas caseiras e aproveitando essa pausa nos trabalhos do campo para se banharem.

Constituem um “activo” importante para a família, daí os pais procurarem casá-las com homens socialmente importantes e abastados por forma a receberem um avultado património em dinheiro ou cabeças de gado (TENHE).

f08


Inserida na vertente da fotografia documental que o MEF tem procurado dinamizar nas suas atividades, continuamos a publicação de um pequeno ensaio fotográfico,  imagens e textos do livro “BURUNTUMA – algum dia serás GRANDE …” com autoria de Jorge Ferreira, sócio do MEF.

Ver Mais: BURUNTUMAABASTECIMENTO DE CABUCA;  V U L N E R A B I L I D A D E S.