Foto de Capa, Rid of Me de PJ Harvey

22834309_10157155394977588_337626832_n

Foto de Capa #10: Dentro do portfolio de imagens que testemunham a longa colaboração entre PJ Harvey e a fotógrafa Maria Mochnacz a que mais perdura na memória colectiva será provavelmente a da capa do álbum Rid of Me (1993). Apresentando PJ Harvey, a preto e branco, no espaço íntimo de uma casa de banho, com o movimento circular do seu longo cabelo molhado congelado pelo disparo (assemelhando-o a uma escultura nas palavras da fotógrafa) e um olhar que parece casual e displicente, a imagem reforça o carisma de PJ enquanto artista transgressora, feminista mas cuja representação de feminidade se torna subjectiva e pessoal. Num disco visceral e despojado, as letras assumem um tom confessional, em que a cantora (ou a personagem que encarna) se expõe sem contemplações em situações de subjugação e de poder sexual obsessivos. A imagem de Mochnacz complementa na perfeição o tom do disco ao mostrar PJ despida (literal e metaforicamente) de qualquer aura. Vale a pena a comparação com a imagem de capa de Horses de Patti Smith, da autoria de Mapplethorpe, que aqui apresentámos. Onde a imagem de Smith (um dos ídolos musicais de PJ Harvey) rompia com estereótipos de feminidade presentes nas cantoras da época mas guardava a aura da cantora numa imagem e pose estilizadas, a de PJ mantém e acentua essa ruptura mas subtrai igualmente essa mesma aura, reforçando a autenticidade da música e da sua intérprete. A imagem foi captada às escuras na minúscula casa de banho da fotógrafa, com Mochnacz a ter de encostar a máquina (analógica de 35mm) à parede do lado oposto à cantora e a fazer o disparo sem olhar pelo visor, usando flash. Para manter a veracidade do disparo, a fotógrafa recusou a sugestão da editora para eliminar da imagem as gotas, a sujidade e a planta na parede. “É suposto ser assim!” retorquiu. A colaboração entre as duas artistas permanece até aos dias de hoje.


Foto de Capa, insere-se na nova proposta do MEF de divulgação da fotografia. Com autoria e curadoria de Pedro Nunes.

#fotodecapamef #mef #omefsugere


 

Anúncios

Sodade, reportagem fotográfica

Foram muitos os amigos que marcaram presença na inauguração da exposição Sodade – um retrato de São Tomé e Príncipe. Nós, Movimento de Expressão Fotográfica, não seríamos o movimento que somos hoje sem o contributo de quem nos tem acompanhado. Aos nossos companheiros de viagem, o nosso bem haja pelos grandiosos momentos que temos partilhado. Reportagem fotográfica de Pedro Nunes, Cláudia Pio, Rita Castro e Inês Albuquerque.

2017-10-21Inauguraá∆o-Sodade_042017-10-21Inauguraá∆o-Sodade_102017-10-21Inauguraá∆o-Sodade_122017-10-21Inauguraá∆o-Sodade_142017-10-21Inauguraá∆o-Sodade_152017-10-21Inauguraá∆o-Sodade_172017-10-21Inauguraá∆o-Sodade_182017-10-21Inauguraá∆o-Sodade_20DSC_0020DSC_0058DSC_0100DSC_0133DSC_0189DSCF4275-2DSCF4305-13DSCF4314-16DSCF4325-4DSCF4378-7sodade-23sodade-34sodade-37


 

Que perceção terá da fotografia uma pessoa cega ou com baixa visão?

cartaz-expo-af

 

Exposição de Fotografia “Imagine Conceptuale”

“Que perceção terá da fotografia uma pessoa cega ou com baixa visão?” Partindo desta interrogação, o projeto Imagine Conceptuale – que agora encontra a sua primeira mostra pública – pretende facilitar o acesso à arte e fomentar a expressão pessoal dentro do universo particular da fotografia.