Arquivo de etiquetas: Arquivo Municipal de Lisboa | Fotográfico

Exposição Este Espaço Que Habito no Arquivo Municipal de Lisboa | Fotográfico até 25 de Março.

Continua em exposição o trabalho fotográfico desenvolvido nos Centros Educativos com o projeto Este Espaço que Habito. No último dia de exposição, dia 25 de Março, pelas 16horas, revelamos o vencedor do PEDIFOTO Este Espaço Que Habito.

cartaza4_-eeqh_lisboa2017_aml


Exposição Integrar pela Arte – Este Espaço Que Habito

O Movimento de Expressão Fotográfica (MEF) desafiou os jovens em cumprimento de medida tutelar de internamento nos Centros Educativos a captarem imagens do espaço onde se encontram e da cidade que os acolhe. As fotografias podem ser vistas já a partir do próximo dia 11 de Fevereiro, no Arquivo Municipal de Lisboa | Fotográfico.

Este desafio lançado no âmbito do projeto “Integrar pela Arte – Este Espaço Que Habito” dividiu-se, essencialmente, em quatro partes: na construção de câmaras pinhole por cada um dos jovens, na escolha dos locais a fotografar, na revelação e escolha das imagens captadas e na construção de um diário onde os jovens foram registando o processo criativo e aquilo que foram sentindo e aprendendo ao longo do projeto.

Nesta etapa final é dado a conhecer ao público as imagens que os jovens captaram nas várias cidades por onde o projeto passou. A exposição “Integrar pela Arte – Este Espaço Que Habito” vai estar patente no Arquivo Municipal de Lisboa | Fotográfico, em Lisboa, de 11 de Fevereiro a 25 de Março 2017.

O MEF levou este projeto a 180 jovens dos Centros Educativos das cidades de Lisboa, Coimbra, Guarda e Porto, por onde esta exposição foi passando ao longo dos últimos meses.

O projeto “Integrar pela Arte – Este Espaço Que Habito” é financiado pelo programa PARTIS – Práticas Artísticas para Inclusão Social da Fundação Calouste Gulbenkian.

Objetivos do projeto

O MEF, numa perspetiva de continuidade de projetos anteriores de Integração pela Arte, pretende com o projeto “Integrar pela Arte – Este Espaço Que Habito” trabalhar com os jovens questões como a motivação, o desenvolvimento das capacidades de observação e reflexão das expressões artísticas, mas também o desenvolvimento e descoberta pessoal, a promoção da auto-estima e confiança, bem como a capacidade de partilha e cooperação.

Exposição “Integrar pela Arte – Este Espaço Que Habito”

Local: Arquivo Municipal de Lisboa | Fotográfico

Morada: Rua da Palma,  246, 1100 – 394 Lisboa

Horário: de segunda a sábado das 10h00 às 19h00

Datas de exposição: 11 de Fevereiro a 25 de Março 2017


Exposição Este Espaço Que Habito no Arquivo Municipal de Lisboa | Fotográfico até 25 de Março.

Continua em exposição o trabalho fotográfico desenvolvido nos Centros Educativos com o projeto Este Espaço que Habito.

cartaza4_-eeqh_lisboa2017_aml


Exposição Integrar pela Arte – Este Espaço Que Habito

O Movimento de Expressão Fotográfica (MEF) desafiou os jovens em cumprimento de medida tutelar de internamento nos Centros Educativos a captarem imagens do espaço onde se encontram e da cidade que os acolhe. As fotografias podem ser vistas já a partir do próximo dia 11 de Fevereiro, no Arquivo Municipal de Lisboa | Fotográfico.

Este desafio lançado no âmbito do projeto “Integrar pela Arte – Este Espaço Que Habito” dividiu-se, essencialmente, em quatro partes: na construção de câmaras pinhole por cada um dos jovens, na escolha dos locais a fotografar, na revelação e escolha das imagens captadas e na construção de um diário onde os jovens foram registando o processo criativo e aquilo que foram sentindo e aprendendo ao longo do projeto.

Nesta etapa final é dado a conhecer ao público as imagens que os jovens captaram nas várias cidades por onde o projeto passou. A exposição “Integrar pela Arte – Este Espaço Que Habito” vai estar patente no Arquivo Municipal de Lisboa | Fotográfico, em Lisboa, de 11 de Fevereiro a 25 de Março 2017.

O MEF levou este projeto a 180 jovens dos Centros Educativos das cidades de Lisboa, Coimbra, Guarda e Porto, por onde esta exposição foi passando ao longo dos últimos meses.

O projeto “Integrar pela Arte – Este Espaço Que Habito” é financiado pelo programa PARTIS – Práticas Artísticas para Inclusão Social da Fundação Calouste Gulbenkian.

Objetivos do projeto
O MEF, numa perspetiva de continuidade de projetos anteriores de Integração pela Arte, pretende com o projeto “Integrar pela Arte – Este Espaço Que Habito” trabalhar com os jovens questões como a motivação, o desenvolvimento das capacidades de observação e reflexão das expressões artísticas, mas também o desenvolvimento e descoberta pessoal, a promoção da auto-estima e confiança, bem como a capacidade de partilha e cooperação.

Exposição “Integrar pela Arte – Este Espaço Que Habito”
Local: Arquivo Municipal de Lisboa | Fotográfico
Morada: Rua da Palma,  246, 1100 – 394 Lisboa
Horário: de segunda a sábado das 10h00 às 19h00
Datas de exposição: 11 de Fevereiro a 25 de Março 2017


Este Espaço Que Habito no Arquivo Municipal de Lisboa | Fotográfico, inaugura a 11 de Fevereiro.

A partir do próximo dia 11 de Fevereiro apresentamos em Lisboa o trabalho fotográfico desenvolvido nos Centros Educativos com o projeto Este Espaço que Habito. A exposição será composta por estruturas metálicas com imagens à transparência em forma de caixas de luz, que pretendem identificar o trabalho desenvolvido com o processo estenopeico (pinhole). Estará também em projecção, em sala independente da exposição, o documentário realizado durante o projecto e que mostra o processo de trabalho.


web_convite_eeqh_lisboa2017_aml


Exposição “Integrar pela Arte – Este Espaço Que Habito” 

Produção: Movimento de Expressão Fotográfica

Imagens: Jovens dos Centros Educativos

Coprodução da exposição: Arquivo Municipal de Lisboa | Fotográfico

Documentário “Integrar pela Arte – Este Espaço Que Habito”

Realização: Movimento de Expressão Fotográfica

Imagem: Luís Rocha

Produção e montagem: Tânia Araújo

Participação: dos diretores – Rogério Canhões, Ângela Portugal, António Viana e dos técnicos – Maria Moreira, Isabel Ferreira, Paula Teixeira e Eduardo Garrido.

Música: jovens do centro educativo Padre António Oliveira

Financiamento: programa PARTIS – Práticas Artísticas para Inclusão Social da Fundação Calouste Gulbenkian.

Parceria Institucional: Ministério da Justiça/Serviços de Justiça Juvenil


Local: Arquivo Municipal de Lisboa | Fotográfico

Morada: Rua da Palma,  246, 1100 – 394 Lisboa

Horário: de segunda a sábado das 10h00 às 19h00

Datas de exposição: 11 de Fevereiro a 25 de Março 2017

Inauguração: 11 de Fevereiro pelas 17h00


O Movimento de Expressão Fotográfica (MEF) desafiou os jovens em cumprimento de medida tutelar de internamento nos Centros Educativos a captarem imagens do espaço onde se encontram e da cidade que os acolhe.

Este desafio lançado no âmbito do projeto “Integrar pela Arte – Este Espaço Que Habito” dividiu-se, essencialmente, em quatro partes: na construção de câmaras pinhole por cada um dos jovens, na escolha dos locais a fotografar, na revelação e escolha das imagens captadas e na construção de um diário onde os jovens foram registando o processo criativo e aquilo que foram sentindo e aprendendo ao longo do projeto.

O MEF levou este projeto a 180 jovens dos Centros Educativos das cidades de Lisboa, Coimbra, Guarda e Porto, por onde esta exposição foi passando ao longo dos últimos meses.

Objetivos do projeto

O MEF, numa perspetiva de continuidade de projetos anteriores de Integração pela Arte, pretende com o projeto “Integrar pela Arte – Este Espaço Que Habito” trabalhar com os jovens questões como a motivação, o desenvolvimento das capacidades de observação e reflexão das expressões artísticas, mas também o desenvolvimento e descoberta pessoal, a promoção da auto-estima e confiança, bem como a capacidade de partilha e cooperação.

cartaza4_-eeqh_lisboa2017_aml


 #mef #eeqh#esteespacoquehabito #integrarpelaarte #partisfcg


A exposição “Integrar pela Arte – Este Espaço Que Habito” vai estar patente no Arquivo Municipal de Lisboa | Fotográfico, em Lisboa, de 11 de Fevereiro a 25 de Março 2017.


Este Espaço Que Habito no Arquivo Municipal de Lisboa | Fotográfico

A partir do próximo dia 11 de Fevereiro apresentamos em Lisboa o trabalho fotográfico desenvolvido nos Centros Educativos com o projeto Este Espaço que Habito. A exposição será composta por estruturas metálicas com imagens à transparência em forma de caixas de luz, que pretendem identificar o trabalho desenvolvido com o processo estenopeico (pinhole). Estará também em projecção, em sala independente da exposição, o documentário realizado durante o projecto e que mostra o processo de trabalho.


web_convite_eeqh_lisboa2017_aml


Exposição “Integrar pela Arte – Este Espaço Que Habito” 
Produção: Movimento de Expressão Fotográfica
Imagens: Jovens dos Centros Educativos
Coprodução da exposição: Arquivo Municipal de Lisboa | Fotográfico

Documentário “Integrar pela Arte – Este Espaço Que Habito”
Realização: Movimento de Expressão Fotográfica
Imagem: Luís Rocha
Produção e montagem: Tânia Araújo
Participação: dos diretores – Rogério Canhões, Ângela Portugal, António Viana e dos técnicos – Maria Moreira, Isabel Ferreira, Paula Teixeira e Eduardo Garrido.
Música: jovens do centro educativo Padre António Oliveira

Financiamento: programa PARTIS – Práticas Artísticas para Inclusão Social da Fundação Calouste Gulbenkian.

Parceria Institucional: Ministério da Justiça/Serviços de Justiça Juvenil


Local: Arquivo Municipal de Lisboa | Fotográfico
Morada: Rua da Palma,  246, 1100 – 394 Lisboa
Horário: de segunda a sábado das 10h00 às 19h00
Datas de exposição: 11 de Fevereiro a 25 de Março 2017
Inauguração: 11 de Fevereiro pelas 17h00


O Movimento de Expressão Fotográfica (MEF) desafiou os jovens em cumprimento de medida tutelar de internamento nos Centros Educativos a captarem imagens do espaço onde se encontram e da cidade que os acolhe.

Este desafio lançado no âmbito do projeto “Integrar pela Arte – Este Espaço Que Habito” dividiu-se, essencialmente, em quatro partes: na construção de câmaras pinhole por cada um dos jovens, na escolha dos locais a fotografar, na revelação e escolha das imagens captadas e na construção de um diário onde os jovens foram registando o processo criativo e aquilo que foram sentindo e aprendendo ao longo do projeto.

O MEF levou este projeto a 180 jovens dos Centros Educativos das cidades de Lisboa, Coimbra, Guarda e Porto, por onde esta exposição foi passando ao longo dos últimos meses.

Objetivos do projeto
O MEF, numa perspetiva de continuidade de projetos anteriores de Integração pela Arte, pretende com o projeto “Integrar pela Arte – Este Espaço Que Habito” trabalhar com os jovens questões como a motivação, o desenvolvimento das capacidades de observação e reflexão das expressões artísticas, mas também o desenvolvimento e descoberta pessoal, a promoção da auto-estima e confiança, bem como a capacidade de partilha e cooperação.

cartaza4_-eeqh_lisboa2017_aml


 #mef #eeqh#esteespacoquehabito #integrarpelaarte #partisfcg


A exposição “Integrar pela Arte – Este Espaço Que Habito” vai estar patente no Arquivo Municipal de Lisboa | Fotográfico, em Lisboa, de 11 de Fevereiro a 25 de Março 2017.


Movimento e Imagem, última sessão da primeira série

M&I_Maio_1M&I_Maio_2M&I_Maio_3M&I_Maio_4M&I_Maio_5

Na última sessão desta primeira série das conversas fotográficas do Movimento e Imagem no Arquivo Municipal de Lisboa – Fotográfico, Pedro Nunes, Agnieszka Olesiewicz, Cláudia Pio, Pedro Martins e Nuno Correia partilharam na passada terça-feira os seus projectos e a forma como constroem uma identidade enquanto autores. Os 5 fotógrafos trabalharam recentemente a sua visão, em viagem documental ou a partir dos trabalhos dos fotógrafos de Josef Sudek e Juan Castro Prieto, estes a partir do desafio do Curso de Narrativa Fotográfica e Laboratório a Preto e Branco dinamizados pelo MEF.


Augusto Brázio, no Movimento e Imagem

Sessão IX

MovimentoImagem_AugustoBrazio_Maio2016@BC-3MovimentoImagem_AugustoBrazio_Maio2016@BC-5

Onde nos levam as imagens? Umas inspiram Augusto Brázio, levam-no para outros caminhos, para outros trabalhos. Passeámos, num dia de calor, pelo seu olhar na crise, “por uma revolta… por as coisas definharem” e Bang! uma adolescência levada ao limite. Tivemos ainda oportunidade de ver projetos inéditos. Em cada paragem (projeto), falou-nos dos desafios, fazendo distinção entre as particularidades colocadas no trabalho autoral ou contratado. Partilhou o seu processo de trabalho, que varia de acordo com o assunto fotografado. Nem sempre temos tempo para ficar, para fotografar em paz, como mais se gosta, porém é sempre necessário sair da zona de conforto e ir para as periferias. Fomos!

Texto de Cristina Cabrita com Imagem de Bruno Castro

A sessão decorreu no Arquivo Fotográfico Municipal de Lisboa no dia 03/05/2016


Augusto Brázio no Movimento e Imagem

MI_Arquivo_Maio

Em Maio, o Movimento e Imagem reflecte sobre o documentalismo e autoria em Fotografia.

A visão documental na imagem fixa, com Augusto Brázio.

Na nona sessão do ciclo, no dia 3 de Maio, o fotógrafo Augusto Brázio apresentará a sua visão e o que o move para documentar fotograficamente a realidade que o rodeia. Fotógrafo experiente e com trabalho conhecido, Brázio partilhará o seu olhar fotográfico enquanto documento.


É no dia 3 de Maio, a partir das 19h30h, no Arquivo Municipal de Lisboa – Fotográfico.


A fotografia enquanto evento, amanhã no Arquivo Municipal de Lisboa – Fotográfico

MI_Arq_Abril

O Arquivo Municipal de Lisboa – Fotográfico acolhe, amanhã dia 19, David Santos, curador geral da Bienal de Fotografia de Vila Franca de Xira, que nos irá falar sobre “A Fotografia enquanto Evento”. A sessão é aberta ao público e terá lugar na Sala de Leitura do Arquivo, a partir das 19h30. Esta sessão faz parte do ciclo Movimento e Imagem organizado pelo MEF.


David Santos é historiador de arte, tendo sido Director do Museu do Neo-Realismo (Vila Franca de Xira) e do Museu Nacional de Arte Contemporânea – Museu do Chiado. É actualmente Curador Geral da Bienal de Vila Franca de Xira – BF16.


Movimento e Imagem, Sessão VII

Movimento_e_Imagem_web
© Luís Rocha | Movimento de Expressão Fotográfica

Sessão VII

Margarida Medeiros partilhou as suas ideias sobre “Fotografia e Memória”, no passado dia 5 de Abril. O desejo constante de tentar agarrar momentos, de perpetuá-los no tempo é uma necessidade histórica, tanto a uma escala macro como micro. A máquina fotográfica veio auxiliar-nos no combate ao esquecimento, funcionando como uma prótese de memória, ou não fossemos deuses protésicos como dizia Freud. Enquanto a ”História cita o mundo a fotografia constrói” diz a Margarida Medeiros, a propósito da relação entre estas duas áreas, no poder de ambas recortarem realidades e de as perpetuarem no tempo. A fixação de objetos por parte da fotografia está associada a um impulso arquivístico, refere a professora. A fotografia mostra o que é visível, transporta evidência e memória assim como o arquivo, arché (o princípio), decide o que se vê, ao incluir e excluir. A técnica fotográfica usada é também uma forma de congelar tempos diferentes, remetendo -nos para diversos tipos de memórias. Por exemplo, uma longa exposição ou um instante permitem que respiremos outro tempo. Uma melancolia, um tempo que não acaba na primeira ou um instante imperdível e irrecuperável, como é o caso da segunda. Porém, há uma instabilidade e ambiguidade na fotografia, oscilando entre arte, documento e evidência bem como uma permutabilidade da mesma ao longo do tempo, assim como a nossa memória.

A sessão decorreu no Arquivo Fotográfico Municipal de Lisboa no dia 5/04/2016. A próxima sessão do Movimento e Imagem está marcada para o dia 19 deste mês, uma conversa fotográfica com David Santos, curador geral da Bienal de Fotografia de Vila Franca de Xira, que nos vem falar sobre “A Fotografia enquanto Evento”.


Hoje, Movimento e Imagem com Margarida Medeiros

MI_Arq_Abril

Conversas fotográficas em abril

Hoje, dia 5, no Arquivo Municipal de Lisboa | Fotográfico, acontece o ciclo de conversas sobre fotografia, promovido pelo MEF.
Nesta primeira conversa em casa nova, Margarida Medeiros irá partilhar a sua visão sobre o tema “Fotografia e Memória”.

Na sala de leitura, pelas 19h30!

Sobre a convidada Margarida Medeiros:

Professora na Universidade Nova de Lisboa, tem dedicado a sua carreira ao estudo da Fotografia. Editou até hoje numerosos ensaios sobre Fotografia e Imagem em obras colectivas, catálogos e revistas, e no ano de 2000 publicou a título individual o livro “Fotografia e Narcisismo — o auto-retrato contemporâneo”, produto final da investigação que levou a cabo para a tese de Mestrado.


 

O MEF na 6ª Feira do Livro de Fotografia

12273602_1667781720100430_7434153581253817310_o

Terminou a 6ª Feira do Livro de Fotografia, que aconteceu no Arquivo Municipal de Lisboa | Fotográfico, neste fim-de-semana passado. Agradecemos à organização da feira todo o trabalho e a recepção da nossa participação.

Os livros apresentados pelo MEF nesta feira:  Este Espaço Que HabitoKtabna+5:30 e a Revista TEMA ficam disponíveis para consulta pública na biblioteca do Arquivo.

No Sábado, durante a realização da feira, foram apresentados por Cristina Cabrita e por Cristina Coutinho os projetos/livros Este Espaço Que Habito e Ktabna.

© Margarida Louro
© Margarida Louro

Para quem não esteve presente na feira, pode aceder AQUI a um excelente resumo sobre a mesma.


A 6ª Feira do Livro de Fotografia de Lisboa começa hoje!

O Movimento de Expressão Fotográfica participa na 6ª Feira do Livro de Fotografia de Lisboa, na Mesa dos Autores, onde é possível adquirir os  fotolivros: Este Espaço Que HabitoKtabna+5:30 e a Revista TEMA, edições MEF de 2015.

12188902_1197647103584905_6553320037879083031_n 11863489_1197651020251180_8269387389628550803_n 12065628_1197655746917374_2866208982388132530_nCaptura de ecrã 2015-11-12, às 14.07.13

27, 28 e 29 de Novembro de  2015
Arquivo Municipal de Lisboa | Fotográfico
Rua da Palma, 246