Imagine Conceptuale, percepção táctil das imagens impressas

Entramos numa nova fase do projecto Imagine Conceptuale – após a construção das imagens por parte do participantes no projecto, ensaiamos soluções para a percepção táctil das imagens impressas.

A primeira exposição deste projecto acontece no próximo dia 14 de Outubro nos Antigos Paços do Concelho em Viana do Castelo.

21034883_10155588129588959_534530384_o
Estudo para imagem audio-descrita, com descrição accionada ao toque.
IMG_20170821_182108
Estudo para imagem inclusiva, impressão cor  e percepção táctil.

Imagine Conceptuale é um projeto integrado no Programa PARTIS, da Fundação Calouste Gulbenkian e em parceria institucional com: Associação de Apoio e Informação a Cegos e Amblíopes, Associação Promotora de Emprego de Deficientes Visuais, Centro de Reabilitação Nossa Senhora dos Anjos, Fundação Raquel e Martin Sain, Íris Inclusiva – Associação de Cegos e Amblíopes, Lar Branco Rodrigues. Parceria cultural com a Acesso Cultura, Barbado Gallery e FUJIFILM Portugal. Apoio Câmara Municipal Viana do Castelo e Eletrosertec.


 

Foto de Capa, Wish You Were Here dos Pink Floyd

20930556_10156954045827588_339401372_oFoto de Capa #6: no decurso da década de 1970 o colectivo de design Hipgnosis – http://www.hipgnosiscovers.com/ – tornou-se sinónimo de capas de disco arrojadas e enigmáticas muito por conta da sua colaboração no artwork de bandas rock conceituadas, com particular destaque para os Pink Floyd. De entre as várias capas icónicas que a Hipgnosis realizou para o grupo britânico, a de Wish You Were Here será não apenas uma das mais carismáticas mas porventura a mais representativa do uso da fotografia para captar o espírito e a temática de um álbum. Elaborado como um disco conceptual sobre as manipulações da indústria musical e o seu alegado contributo para o colapso mental do primeiro líder e compositor da banda, Syd Barrett, WYWH inspirou o director artístico Storm Thorgerson a pensar num conjunto de imagens que representassem simbolicamente esse conceito. A imagem de capa apresentando dois indivíduos de fato a apertarem a mão, um deles com o fato e cabelo a arder, evoca essa ideia de falsidade, alienação e de vazio emocional presente nesse gesto tão comum e tão presente em relações de trabalho. Pelo menos duas canções do disco, “Welcome to the Machine” e “Have a Cigar” abordam de forma bastante explícita a hipocrisia da indústria discográfica (representada pelos dois indivíduos) e a relação de manipulação e exploração desta para com os artistas. A expressão “getting burned” era aliás frequentemente usada no meio musical quando os artistas não recebiam os direitos de autor devidos. De uma forma mais genérica, Thorgerson afirmaria que a imagem era inspirada pela ideia de que as pessoas tendem a ocultar os seus sentimentos verdadeiros pelo receio de “serem queimadas”. A fotografia foi tirada pelo seu colaborador Aubrey “Po” Powell, junto aos estúdios da Warner Bros em Los Angeles, com recurso a dois duplos. O fogo na imagem é real e o duplo em causa, não obstante usar um fato à prova de fogo e um capuz escondido sob uma peruca, teve de se haver com uma súbita mudança de direcção do vento que lhe causou queimaduras no bigode e sobrancelhas. A Hipgnosis cessaria funções em 1983 deixando atrás de si um dos mais reconhecidos e carismáticos portfolios na direcção artística de álbuns da música popular.


Foto de Capa, insere-se na nova proposta do MEF de divulgação da fotografia. Com autoria e curadoria de Pedro Nunes.

#fotodecapamef #mef #omefsugere


Curso de Iniciação à Fotografia, nova edição

Curso de Iniciação à Fotografia pretende dar a conhecer a fotografia enquanto forma diferente de interpretar a realidade. Tirando partido das câmaras fotográficas, os participantes utilizarão a fotografia como meio de exploração do seu próprio quotidiano, fotografando mediante directrizes estéticas apreendidas no curso.

Iniciacao2016

Este curso é constituído por uma parte teórica, em que é dada os princípios básicos da fotografia. Serão realizados três trabalhos práticos em que se aborda a vertente da fotografia digital e da fotografia convencional (com laboratório químico de preto e branco).

Conteúdo programático (resumo)

Os vários tipos de máquinas fotográficas e a sua adequação a cada estilo fotográfico: compactas, SLR /DSLR, câmaras de visor directo (telemétricas), Mirrorless. Objectivas: autofocus e foco manual, luminosidade, distâncias focais. Corpo da máquina: obturador, diafragma, profundidade de campo, congelamento, arrastamento. Fotometria: ISO, controlo da exposição. Acessórios: Flash, filtros. Composição: enquadramento, regras de composição, visualização de trabalhos fotográficos autorais, análise dos exercícios realizados durante a ação de formação. Iluminação: Luz de enchimento, luz lateral e frontal. Luz reflectida e luz direta. Medição de luz: Reflectida e incidente. Temperatura de cor e balanço de brancos. Exercícios práticos com análise e crítica, 3 saídas fotográficas em ambiente urbano e rural.

No final do curso de iniciação à fotografia os formandos deverão estar habilitados a:

·  Identificar os princípios básicos da técnica fotográfica;

·  Trabalhar com os princípios básicos da estética fotográfica;

·  Utilizar a câmara fotográfica em modo manual.

::

[PROGRAMA COMPLETO]        [INSCRIÇÃO]

 

Carga horária

50 Horas

Horário

Aulas Teóricas – 19h30m/21h30m

Aulas Laboratórios – 19h30m/22h30m

Datas de formação

9 de Outubro a 27 de Novembro de 2017 e de 8 de Janeiro a 19 de Fevereiro de 2018

NOTA: esta ação de formação interrompe durante o mês de Dezembro, recomeçando em Janeiro de 2018.

Dia de Formação

Segunda-feira

Valor da formação

160€

Incluídos

Material didáctico. Material químico de laboratório.

A adquirir

Papel fotográfico de P&B. Rolo fotográfico a preto e branco.

Formadores

Luís Rocha (Teoria e Lab. Digital) [nota biográfica]
Tânia Araújo (Lab. Preto e Branco) [nota biográfica]

Pré-requisitos

Aconselha-se o formando a ter máquina fotográfica manual própria, no entanto o MEF possui material fotográfico que pode disponibilizar nas saídas fotográficas.

Para frequentar o módulo de laboratório digital é necessário o formando possuir computador portátil com o programa  RawTherapee instalado.


Contactos

Telemóvel: 96 583 16 20 (Tânia Araújo)

Para esclarecimentos de dúvidas: Enviar Mensagem

Morada

Palácio de Laguares, R. Prof. Sousa da Câmara, 156

1070 – 215 Campolide, Lisboa.  VER MAPA


Junta-te a este movimento!

%d bloggers like this: